barrinhas

terça-feira, fevereiro 8

Às sete

Eu vejo a tinta da caneta escorrendo
todas as minhas vontades
salvando minhas fantasias
na façanha de uma folha

E as cores vão soltando
notas e cheiros
que eu posso sentir voando como
pássaros na minha pele.

O arrepio que esvoaça meus cabelos
me faz olhar dentro de mim
através do já visto

Me perco no meu reflexo
vendo
o que eu nunca quis 
ser

Nenhum comentário:

Postar um comentário