barrinhas

domingo, novembro 21

Reticências

 (à Joan Miró)

Letras como lágrimas
jorram dos meus olhos.

Elas saem rasgando.
O sal se difundindo
com meu sangue

Minhas veias dançando como o sol
e as minhas pupilas tão dilatadas
que nem se pode mais ver o verde
da constelação ocular que brilhava no meu rosto.

As cores vêem tão ferozmente
como as minhas dores
E parece que tudo se transformou
em letras, que pingam num caderno
De linhas tortas e soltas

E apenas observando aquele infinito azul
me fez ver que tudo gira
e tudo Miro em teus Joan's
que mais parecem meu estúpido
medo de olhar adiante.

2 comentários:

  1. Olá, tudo bom?
    Achei seu blog muito interessante.
    Comecei um blog tbm, se puder e não for pedir muito, de uma passadinha no meu?

    http://cabecafeminina.blogspot.com/

    Muuito obrigada e parabéns pelo blog!!!!

    ResponderExcluir
  2. Minha pequena e bela poeta. Meu orgulho!

    ResponderExcluir